Novo confinamento agrava a situação de populações vulneráveis de Camarate

Pedidos de apoio de famílias de Camarate não param de chegar à ONG Ajuda em Ação e ao Agrupamento de Escolas de Camarate. Com o novo confinamento, “há quem tenha perdido tudo e não tenha direito a nada”.

Novo confinamento agrava a situação de populações vulneráveis de Camarate

Novo confinamento agrava a situação de populações vulneráveis de Camarate

Pedidos de apoio de famílias de Camarate não param de chegar à ONG Ajuda em Ação e ao Agrupamento de Escolas de Camarate. Com o novo confinamento, “há quem tenha perdido tudo e não tenha direito a nada”.

Vivem-se momentos de tensão e angústia em Camarate, onde a população vulnerável e em risco de pobreza começou a reviver os duros meses que enfrentaram em 2020. Com o novo confinamento, foram detetados “novos casos de famílias em situação de fome” pelos parceiros da Ajuda em Ação no Agrupamento de Escolas de Camarate, na sua maioria “agregados familiares que até então não tinham recorrido a qualquer apoio por parte do Estado ou de instituições sociais”.

Estes pedidos de ajuda escalaram recentemente “quando um grande grupo de encarregados de educação, ao submeterem os documentos para a atribuição dos apoios sociais, verificou que não tinha direito a qualquer tipo de apoio financeiro por perda da remuneração porque as respetivas entidades patronais não tinham feito os devidos descontos”, partilha Mário Rui, diretor de programas de ONG, que está já no terreno com uma segunda resposta de emergência para conseguir ajudar 60 agregados que estão a pedir apoio urgente para a alimentação.

Cartões de compra de bens alimentares para famílias carenciadas

no ano passado, em consequência do primeiro confinamento, a Ajuda em Ação e os parceiros no terreno “tiveram de rever prioridades e ativar uma resposta de emergência semelhante”. Durante três meses, entre maio e julho, a ONG conseguiu ajudar 71 famílias, compostas por 264 pessoas, entre as quais 147 crianças, a garantir a sua alimentação diária através da atribuição de cartões de compra de bens alimentares”. O início de 2021 revela uma situação “ainda mais complexa”, como explica Mário Rui. “Estão já sinalizadas 60 famílias como prioritárias para a atribuição destes cartões”, mas a equipa da Ajuda em Ação não para de receber “novos pedidos”.

Esta segunda resposta de emergência da ONG em Camarate arranca nos próximos dias 23 e 24 de fevereiro e tem “duração prevista de dois meses”. Com o eventual agravar da situação, “o número de agregados familiares a apoiar pode vir a crescer ao longo deste período”. Para já, “estas 60 famílias, um total de 216 pessoas, entre as quais 115 crianças”, poderão utilizar o “cartão de apoio alimentar”, cujo valor médio rondará os “56 euros mensais”, para que possam elas próprias adquirir os bens que mais necessitam.

Ao atuar desta forma, a Ajuda em Ação quer garantir “a autonomia dos beneficiários nas escolhas realizadas e, sobretudo, preservar a sua dignidade”. Como nestas situações de maior fragilidade social a parte emocional é também muito importante, a ONG disponibiliza ainda “acompanhamento psicossocial” às pessoas que apoia.

Novo confinamento e falta de documentação deixa «168 crianças de Camarate em situação crítica»

A única refeição diária que chega a casa destas famílias é a fornecida pela escola”, e que é “partilhada por todos”

Estas 60 famílias, na sua grande maioria monoparentais e com vários filhos a cargo, perderam ou viram os seus rendimentos diminuírem devido à pandemia e à precariedade dos trabalhos que tinham. “Há também quem não tenha conseguido receber os pagamentos do lay-off ou de baixas médicas por infeção da covid-19. Outras são imigrantes e com documentação por regularizar e, como tal, estão impossibilitadas de trabalhar ou de ter direito a apoios da Segurança Social”, garantem os responsáveis da ONG, no terreno.

Assim, o pagamento das rendas “começa a atrasar-se e o pouco dinheiro que entra não chega sequer para fazer face às despesas de água e de luz que se acumulam mês após mês”. A dificuldade em fornecer uma alimentação adequada “também já se começa a fazer sentir, sendo que, muitas vezes, a única refeição diária que chega a casa destas famílias é a fornecida pela escola”, e que é “partilhada por todos”.

As crianças são um grupo especialmente frágil neste contexto de pobreza. Mário Rui, diretor de programas da Ajuda em Ação, explica que, “das 1.658 crianças que estudam no Agrupamento de Escolas de Camarate (do 1.º ao 3.º ciclo), 885 recebem ajuda direta dos serviços de Ação Social”. Ou seja, “54% dos alunos estão integrados no escalão A e B do apoio social”. Realidade que é ainda mais crítica no caso das “crianças indocumentadas”.

“Temos registo de 168 crianças indocumentadas e, devido a essa impossibilidade, não têm qualquer tipo de escalão atribuído. Nem os seus agregados podem beneficiar da prestação social de abono ou do Rendimento Social de Inserção por não terem cartão de residente ou a nacionalidade portuguesa atribuída”, esclarece.

Linha de Valor Acrescentado criada para apoiar a resposta de emergência

Para que esta resposta de emergência chegue a mais famílias e para que ninguém seja deixado para trás, a ONG acaba de lançar também uma linha de valor acrescentado com o objetivo de angariar fundos para apoiar a população de Camarate. Assim, por “cada chamada realizada para o número 760 500 050, com custo de 60 cêntimos, mais IVA, a Ajuda em Ação receberá um donativo de 40 cêntimos”. Além desta iniciativa, a ONG está também a “organizar para breve um concerto solidário, cujo montante angariado reverterá na totalidade para esta segunda resposta de emergência”.

Impala Instagram


RELACIONADOS