Livre vota contra moção de censura ao Governo do Chega

O deputado único do Livre, Rui Tavares, vai votar contra a moção de censura ao Governo apresentada pelo Chega, que será discutida hoje à tarde no parlamento, advogando que o objetivo é apenas “produzir um ato mediático e performativo”.

Livre vota contra moção de censura ao Governo do Chega

Livre vota contra moção de censura ao Governo do Chega

O deputado único do Livre, Rui Tavares, vai votar contra a moção de censura ao Governo apresentada pelo Chega, que será discutida hoje à tarde no parlamento, advogando que o objetivo é apenas “produzir um ato mediático e performativo”.

“A opinião unânime do Grupo de Contacto, incluindo do deputado do Livre, foi a de votar contra a moção de censura do Chega”, sustentou o partido numa nota divulgada.

O Livre argumentou que a moção de censura ao Governo socialista apresentada pela bancada de extrema-direita “apenas pretende produzir um ato mediático e performativo” e que nem o partido de André Ventura acredita “ele próprio na sua moção de censura, uma vez que não apresenta uma maioria alternativa” e também não “admite que a solução de eleições antecipadas seja desejável para o país”.

O partido representado na Assembleia da República por Rui Tavares acrescentou que “esta é a chaga do populismo: desvalorizar o valor da palavra, dos gestos políticos e dos próprios atos parlamentares”.

No entanto, o Livre advertiu que “explorar, num momento inicial da legislatura, o poder de antecipação sobre crises políticas futuras” faz com que os restantes atores políticos e órgãos de soberania, em particular o executivo – que é o terceiro de António Costa – elevem o “grau de exigência”.

Apontando ao PSD e à IL, o Livre criticou a “ambiguidade estratégica em relação a futuras alianças com a extrema-direita” que, na ótica do partido, transparece pelas abstenções preanunciadas à moção.

Impala Instagram


RELACIONADOS