Isabel II: a história dos funerais reais e como este será diferente

Professor de História Moderna Britânica, da Universidade Durham, Philip Williamson explica por que será diferente de todos os outros o funeral de Isabel II.

Isabel II: a história dos funerais reais e como este será diferente

Isabel II: a história dos funerais reais e como este será diferente

Professor de História Moderna Britânica, da Universidade Durham, Philip Williamson explica por que será diferente de todos os outros o funeral de Isabel II.

Grandes eventos reais no Reino Unido costumam ser uma mistura do antigo e do novo, e o funeral da rainha Isabel II “não será exceção”, considera Philip Williamson, professor de História Contemporânea Britânica, da Universidade Durham. Embora haja vários recursos surpreendentemente novos, os elementos aparentemente tradicionais não são tão antigos quanto possam parecer, e alguns dos elementos mais recentes são revisitas aos do passado.

A história moderna das ocasiões reais é “de inovação e tradição para preservar a popularidade e relevância da monarquia”, diz. O “serviço público e a capacidade do monarca de representar toda a nação tornaram-se os principais temas”. A organização do luto público por Isabel II – que começou imediatamente após a sua morte, em 8 de setembro, e terminará após o seu funeral, nesta segunda-feira, 19 de setembro – é um grande empreendimento nacional. No entanto, os funerais dos soberanos “nem sempre foram espetáculos públicos”.

Desde o século 18, todos os monarcas britânicos foram enterrados em Windsor e, por um longo período, as cerimónias fúnebres ocorreram no interior do Castelo de Windsor.

As mudanças começaram com a morte da rainha Vitória, em 1901. O que traduzia, “em parte, no reconhecimento pelo seu longo reinado de 63 anos”. Mas foi também “o culminar de esforços, notados nos seus jubileus em 1887 e 1897, para tornar a monarquia mais pública”. Decisão para, no fundo, “para incentivar maior apego popular à família real numa sociedade a tornar-se mais democrática e potencialmente mais crítica de uma instituição antiga e privilegiada”.

Isabel II: a história dos funerais reais e como este será diferente
Rainha Vitória, no seu leito de morte (Imagem Wikimedia)

O dia do funeral da rainha Vitória foi proclamado Dia de Luto Nacional, durante o qual todo o trabalho foi interrompido, “com a expectativa de que muitas pessoas comparecessem aos cultos memoriais da igreja, então o principal meio de expressar a dor e o respeito públicos”, enquadra Williamson.

Pela primeira vez após a morte de um monarca, a Igreja da Inglaterra emitiu serviços comemorativos especiais em todos os seus locais de culto, e os líderes da maioria das outras comunidades religiosas do Reino Unido incentivaram também a organização de serviços memoriais.

Todos os locais de culto estavam lotados. O facto de a rainha Vitória ter morrido em casa, na ilha de Wight, “criou a oportunidade para outras demonstrações em massa de luto, pois o seu caixão, a caminho de Windsor, foi carregado numa longa e lenta procissão em Londres, por ruas repletas de grandes multidões“. As procissões públicas tornaram-se centrais para os funerais posteriores dos monarcas, embora agora se concentrem em Westminster.

Após a morte dos sucessores de Victoria, foram tomadas mais medidas para envolver o público. Quando Eduardo VII morreu em Londres, em 1910, realizou-se um velório público em Westminster Hall. O seu filho, George V, insistiu para que o acesso fosse “democrático” e “quase 300 mil membros do público prestaram o seu respeito, passando junto ao caixão”.

Isabel II: a história dos funerais reais e como este será diferente
Funeral de estado de Edward VII, em 1910 (Imagem Wikimedia)

Para o próprio funeral de George V em 1936, o dia de luto foi substituído por um silêncio nacional de dois minutos para evitar a perda de trabalho durante um período de depressão econômica. O silêncio também vinculou a morte do rei ao ritual de missa anual de lembrança dos mortos da primeira guerra mundial.

“Mais de 750 mil pessoas assistiram às cerimónias fúnebres e as emissões de rádio ampliaram uma ainda mais vasta audiência, numa nova forma de participação em massa”. Para a despedida do rei George VI, em 1952, que tinha alcançado um vasto destaque público durante a Segunda Guerra Mundial, foram feitas mais duas inovações. Após o funeral em Windsor, foi realizado na Catedral de São Paulo um serviço especial, com a presença de membros do governo, do parlamento e de outros líderes nacionais. Os serviços e a procissão fúnebres em Londres foram “os primeiros eventos reais transmitidos pela televisão e pela rádio”.

Muitas facetas das comemorações reais desde 1901 permanecem intactas até hoje, mas há novos elementos. Alguns desses recursos resultam de avanços na televisão e nos meios de comunicação on-line, enquanto outros são uma homenagem a um reinado ainda mais longo que o da rainha Vitória. O estado da união do Reino Unido “também influenciou os planos que a função pública e o Palácio de Buckingham mantêm, mas que vão atualizando regularmente desde a década de 1930 para ‘o fim da Coroa’ – conhecido mais recentemente por ‘Operation London Bridge‘”.

A união “enfraqueceu desde 1952, com o desenvolvimento de partidos independentes e administrações descentralizadas”. Os planos incluem eventos “para ajudar a sustentar a posição da monarquia nas diferentes partes do reino durante a delicada transição entre soberanos”. Como tal, “o novo rei e a rainha consorte participam ativamente nos serviços memoriais nacionais na Escócia, no País de Gales e na Irlanda do Norte”.

Cerca de 33 mil pessoas visitaram caixão de Isabel II em Edimburgo
Cerca de 33 mil pessoas visitaram caixão de Isabel II em Edimburgo

“A morte da rainha na Escócia foi o elemento inesperado que permitiu a organização de uma viagem bem divulgada e televisionada em todo o mundo”. “Também levou a uma procissão e a um público adicional a visitar o corpo da rainha em repouso em Edimburgo, durante o serviço memorial na Catedral de St. Giles“, considera o professor de História Contemporânea.

Outro fator que influenciou as novas adições é a “expectativa pública de que a realeza deve ser mais acessível e visível, o que aconteceu sob o reinado de Isabel II.

A transição de Isabel II para Carlos III “suspeitava-se que pudesse ser delicada”, por causa das críticas recorrentes à família real, “incluindo ao novo rei”. Os problemas recentes relacionados com o duque e a duquesa de Sussex e com o duque de York estavam igualmente sobre a mesa, mas preocupações mais profundas vêm do colapso do primeiro casamento do novo rei, da popularidade de Diana e das manifestações de luto após a sua morte, em 1997.

Consequentemente, “foram criadas oportunidades adicionais para os líderes nacionais e o público enfatizarem o seu respeito pela monarquia”. O regresso dos funerais de estado à Abadia de Westminster, que era comum até 1760, “estava provavelmente planeado há muito tempo”.

A Abadia pode acomodar uma maior concentração de pessoas do que a Capela de São Jorge, em Windsor, e a sua localização central permite que mais pessoas assistam à procissão – como foi testemunhado no funeral de Diana e no funeral da Rainha Elizabeth, a Rainha Mãe, em 2002.

A mudança dos serviços fúnebres na Catedral de São Paulo após o funeral do monarca para o dia após a morte da rainha “proporcionou um foco mais nítido para o início do luto nacional”. “O discurso do novo rei, a primeira transmissão de um conselho de ascensão e a mensagem televisiva estranhamente precoce do rei e as condolências do Parlamento foram todos projetados para facilitar a mudança de soberano na consciência pública.”

Haverá na noite deste domingo, 18 de setembro, um minuto de silêncio a preceder o funeral, bem como um silêncio de dois minutos no próprio dia do funeral. Um renascimento do dia nacional de luto também aumentará o envolvimento do público, permitindo que grandes audiências assistam às cerimónias fúnebres televisivas, “arrastando grandes multidões para a rota da procissão e para os pontos de exibição em Londres”.

Tanto a grande admiração popular pela falecida rainha quanto a apresentação bem-sucedida de sua comemoração podem ser medidas pela medida em que o público está preparado para expressar seu respeito. Um grande número de pessoas aguardou na fila por longas horas para velar o corpo de Isabel II em repouso em Westminster Hall. No dia do funeral, nesta segunda-feira, “prevê-se que um número ainda maior de pessoas se desloque até Londres para participar nas procissões e nas cerimónias dentro e em redor da Abadia de Westminster para se despedir” definitivamente pela talvez mais admirada rainha de sempre.

Texto: Luís Martins

Impala Instagram


RELACIONADOS