Os 11 problemas de saúde que vão afetar o mundo em 2023

Além da covid-19 prolongada, a diabetes, a poluição, outros oito problemas de saúde deverão receber a nossa atenção em 2023, de acordo com um grupo de especialistas da IHME.

Os 11 problemas de saúde que vão afetar o mundo em 2023

Os 11 problemas de saúde que vão afetar o mundo em 2023

Além da covid-19 prolongada, a diabetes, a poluição, outros oito problemas de saúde deverão receber a nossa atenção em 2023, de acordo com um grupo de especialistas da IHME.

Especialistas do Institute for Health Metrics and Evaluation (IHME) reuniram os 11 problemas de saúde mais críticos a que devemos estar atentos em 2023. À entrada para o quarto ano de luta contra a covid-19, a maioria dos especialistas do IHME aponta os problemas de alguma forma acelerados pela pandemia, como a covid prolongada e a saúde mental. Ofereceram igualmente possíveis intervenções para lidar com estas ameaças.

Para ler depois
Metade dos adultos portugueses têm dois ou mais problemas de saúde
Cerca de metade da população adulta portuguesa tem dois ou mais problemas de saúde, consequência de excessiva exposição a ecrãs, má qualidade do sono e ‘stress’, concluiu um estudo da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, hoje divulgado (… continue a ler aqui)

1. Covid prolongada

“A long covid – ou covid prolongada – é um inegável problema de saúde a ser observado em 2023. O impacto na saúde da covid prolongada interrompe por norma a capacidade de uma pessoa envolver-se com a escola, com o trabalho ou com os relacionamentos, ao longo de meses.

“Pessoas com covid prolongada precisam de diagnóstico e de suportes de reabilitação adequados por parte de médicos de cuidados primários. Precisamos desesperadamente de mais estudos para encontrar tratamentos eficazes, bem como de medidas preventivas para reduzir o risco de desenvolver covid prolongada.”

[Sarah Wulf Hanson, principal cientista de pesquisa da equipa de aprimoramento de qualidade não fatal e de risco e principal, autora do ensaio JASMA, sobre covid prolongado]

2. Saúde mental

“Os transtornos mentais são uma das principais causas de incapacidade em todo o mundo, sem evidências de diminuição desde 1990. O impacto da pandemia de covid-19, guerra e violência na saúde mental continua a ser uma prioridade, especificamente para entendermos como isto afetou a prevalência e a carga de transtornos mentais a partir de 2022, e como os países devem adaptar a sua resposta à saúde mental.

“Atualmente, investigamos o abuso sexual na infância, a violência por parceiro íntimo e a vitimização por bullying como fatores de risco para transtornos mentais. No futuro, necessitamos de uma melhor compreensão dos outros fatores de risco para transtornos mentais, como eles variam em diferentes populações e como oferecer as melhores oportunidades de prevenção no nível da população.”

[Alize Ferrari, professora assistente afiliada e líder da equipa para estimar o ónus dos transtornos mentais]

3. Impacto das alterações climáticas

“As mudanças climáticas já estão a afetar a saúde de milhões de pessoas em todo o mundo e, mais importante, vão piorar ao longo deste século. As pessoas estão a passar tanto pelos os efeitos diretos do calor extremo quanto por uma miríade de efeitos indiretos. As inundações podem forçar as pessoas a deixarem as casas e afetar a sua saúde mental, as secas e as tempestades podem afetar a segurança alimentar e a disponibilidade de água, e os episódios de emissões de fumo dos incêndios florestais podem aumentar a poluição do ar. Como sabemos pela pandemia, a preparação é fundamental e estamos longe de estar preparados para os impactos na saúde de um clima mais quente.

“A maior parte do ênfase até agora nas mudanças climáticas – e com razão – tem sido no que chamamos de mitigação: reduzir as emissões que levam ao aquecimento global. No entanto, até o momento, estes esforços têm sido modestos. Estamos agora num ponto em que as alterações climáticas estão claramente presentes nas nossas vidas, e precisamos de dar muito mais atenção para minimizar os impactos na saúde global através da adaptação ou do aumento da resiliência.

“Um dos aspetos a ter em conta é melhorar a saúde geral e melhorar o desenvolvimento socioeconómico, porque sabemos que aqueles que são mais vulneráveis ​​sofrerão mais. Além disso, existem soluções tecnológicas que podem apoiar a adaptação, como o uso de culturas resistentes à seca, o aumento da vegetação nas cidades para reduzir o efeito de ilha de calor urbana ou o reaproveitamento do uso da terra para se adaptar ao aumento do nível do mar.

“A poluição do ar é um dos principais fatores de risco globais – atualmente responsável por cerca de 8% da mortalidade mundial –, mas é um problema com soluções conhecidas. Aumentar a velocidade com que lidamos com a poluição do ar salvará mais vidas. Estas soluções aproximarão o mundo das metas de emissões líquidas de carbono zero de que precisamos para lidar com as causas das alterações climáticas.”

[Michael Brauer, professor afiliado e líder da equipa para estimar a carga de fatores de risco ambientais, ocupacionais e dietéticos]

Para ler também
Há 3 países europeus no TOP 10 das nações recordistas de fumadores
Três dos dez países do mundo em que a população mais fuma são europeus. Descubra quais são as dez nações onde o consumo do tabaco é astronómico (… continue a ler aqui)

4. Doenças cardiovasculares

“As doenças cardiovasculares, como isquemia do coração [deficiente circulação de oxigénio] e derrame, são as principais causas de morte em todo o mundo, correspondendo a 28% do total de mortes em 2021. Além disso, as doenças cardiovasculares contribuem substancialmente para a perda de saúde e o ónus económico dos sistemas de saúde. A maioria das doenças cardiovasculares pode ser evitada, abordando fatores de risco cardiovasculares modificáveis, como pressão alta, colesterol alto, obesidade, riscos alimentares, tabagismo e poluição do ar.”

[Christian Razo, estudioso de pós-doutorado na equipa que estima a carga de doenças cardiovasculares e principal autor de um estudo Burden of Proof sobre os efeitos da pressão arterial sistólica elevada isquemia cardíaca]

5. Infeções respiratórias inferiores

“Infeções respiratórias inferiores, especialmente vírus sincicial respiratório e influenza, são problemas de saúde a serem observados em 2023. Registámos um declínio geral nas infeções em 2020, devido às medidas de mitigação da covid-19, como o uso de máscara e o distanciamento social. Com o relaxamento destas medidas, muitas crianças pequenas que não foram expostas nos últimos dois anos estão a ser infetadas, provocando vários surtos. Os países também passaram por um aumento da gripe em todas as idades.

“A vacinação anual contra a influenza oferece uma oportunidade de reduzir a gripe. Ainda não existe vacina para prevenir o vírus sincicial respiratório, mas decorrem testes promissores de vacinas”.

[Hmwe Kyu, professor assistente e líder da equipa para estimar a carga de HIV, TB e doenças infecciosas selecionadas]

“Depois de interrupções significativas nos sistemas de saúde em todo o mundo devido à pandemia da covid-19, o crescimento de infeções respiratórias e outras doenças transmissíveis foi adicionado à carga existente de doenças crónicas não transmissíveis, criando uma carga dupla de doenças exacerbada por problemas sociais, desigualdades observadas globalmente.”

[Christian Razo]

6. O papel da pobreza na saúde

“Aparentemente, a pobreza é a mãe da desigualdade na saúde. A distribuição desigual de recursos aumentou devido às mudanças climáticas e ao crescimento da violência. Os países de baixo e médio rendimento apresentam piores resultados de saúde do que os países de alto rendimento: a expectativa de vida é 34 anos menor, a mortalidade de menores de 5 anos é cerca de 100 vezes maior, as mortes por violência interpessoal e suicídio são 30 vezes maiores e as mortes atribuíveis à resistência antimicrobiana são 12 vezes maiores. Devemos abordar com urgência o impacto da pobreza na saúde, na vida e na morte.”

[Mohsen Naghavi, professor e líder da equipa de causas de morte, choques, causas intermediárias e estimativa do peso da RAM]

Para ler ainda
Humidade apresenta riscos para a saúde. Saiba quais e como se pode proteger
A humidade e os bolores consequentes têm feito a vida negra aos portugueses neste inverno (… continue a ler aqui)

7. Fortalecimento dos sistemas de saúde

“O fortalecimento dos sistemas de saúde globalmente continua a ser um aspeto crítico do que é necessário para sistemas de saúde resilientes. Isto será particularmente relevante à medida que os países reorientarem recursos e atenção após a fase aguda da pandemia de covid-19.

“É necessário um compromisso de longo prazo dos mecenas e governos – recursos financeiros e humanos, estruturas de governança, gestão, sistemas de informação – para garantir que as intervenções sejam estabelecidas para a sustentabilidade de longo prazo e possam produzir os resultados desejados para todos os sistemas de saúde.”

[Angela Micah, professora assistente e colíder da equipa de assistência ao desenvolvimento para rastreamento de recursos de saúde]

“Dada a imensa pressão da covid-19 nos sistemas de assistência primária e hospitalar nos últimos dois anos e meio, deve prestar-se atenção à reconstrução do sistema de saúde e permitir que os trabalhadores da linha da frente desempenhem as suas funções com eficiência. Os líderes e formuladores de políticas de saúde pública têm de refletir sobre as lições aprendidas com a pandemia para evitar o colapso do sistema de saúde na próxima crise e garantir que as pessoas que necessitam de cuidados possam ter acesso a cuidados de saúde de qualidade.”

[Sarah Wulf Hanson]

8. Diabetes

“O diabetes é a quarta principal causa de DALY na América Latina e nas Caraíbas e, entre as cinco principais causas, é a única que mostra um aumento na taxa padronizada por idade em comparação com 1990. A carga da diabetes nas Américas é grande, crescente, heterogénea e em expansão, especialmente nos países da América Latina Central e das Caraíbas.

“Intervenções baseadas na população, como impostos e incentivos, rotulagem de alimentos mais informativa, melhoria do ambiente construído para facilitar o exercício e maior defesa para informar as pessoas sobre o risco que a diabetes representa, combinadas com educação em saúde expandida para combater os fatores de risco do diabetes, parecem ser as melhores opções. Políticas destinadas a ajudar a evitar o ganho de peso e melhorar a qualidade da dieta também são fundamentais.

“Outro aspeto importante é melhorar a resposta dos sistemas de saúde em termos de acesso e cuidados de qualidade. Isto deve incluir o acesso universal a insulina de baixo custo e medicamentos antidiabéticos orais para diminuir as mortes evitáveis ​​por complicações agudas. Os sistemas de saúde também devem esforçar-se para fornecer feedback dos sistemas de dados administrativos aos provedores para ajudar a orientar o tratamento da diabetes.”

[Ewerton Cousin, bolsista de pós-doutorado na equipe de doenças tropicais negligenciadas e principal autor do artigo do The Lancet Diabetes & Endocrinology sobre a carga da diabetes nas Américas]

9. Acidentes de viação

“Os acidentes de viação são a principal causa de morte para pessoas dos 15 aos 49 anos. Intervenções como capacetes, cintos de segurança, airbags, limites de velocidade e leis que desencorajem a condução sob efeito de álcool funcionam. Mas a implementação não é a única coisa que determina o seu sucesso – o comportamento humano deve aderir a essas políticas para torná-las eficazes.”

[Liane Ong, principal cientista de pesquisa e líder da equipa para estimar a carga de lesões, doenças respiratórias crónicas, distúrbios neurológicos, substância transtornos de uso, diabetes e doenças renais, doenças dos órgãos sensoriais e distúrbios musculoesqueléticos]

10. Demência

“Estima-se que as tendências antecipadas de crescimento e envelhecimento da população levem a um significativo aumento do número de pessoas afetadas pela demência em todo o mundo, tornando-a numa situação ainda mais importante para a saúde pública. Para cuidar adequadamente de pessoas com demência, é necessário planeamento adequado para os suportes e serviços necessários.

“Intervenções direcionadas para fatores de risco modificáveis, como baixa escolaridade, tabagismo e alto nível de açúcar no sangue, têm o potencial de reduzir a carga social geral e devem ser levadas em conta de forma mais responsável.”

[Emma Nichols, investigadora da equipe BIRDS e principal autora do artigo do The Lancet Public Health sobre previsão de demência]

11. Envelhecimento da população

“A adaptação dos sistemas de saúde para atender às necessidades das populações mais velhas deve estar em primeiro lugar em 2023. Globalmente, espera-se que a proporção da população acima dos 65 anos aumente nos próximos anos. Embora muita da atenção se tenha concentrado historicamente em doenças que afetam crianças, será prudente começar a pensar e a planear sistematicamente algumas destas mudanças futuras na demografia, especialmente nos países de baixo e médio rendimento.”

[Ângela Micah]

Impala Instagram


RELACIONADOS