Termina prazo da CEDEAO para reinstalar PR no Níger e população prepara-se para o pior

O prazo dado pela CDEAO à junta militar para reinstalar, até hoje, o Presidente nigerino, deposto em 26 de julho, terminou sem que a exigência fosse cumprida, pelo que a população prepara-se agora para o pior.

Termina prazo da CEDEAO para reinstalar PR no Níger e população prepara-se para o pior

Termina prazo da CEDEAO para reinstalar PR no Níger e população prepara-se para o pior

O prazo dado pela CDEAO à junta militar para reinstalar, até hoje, o Presidente nigerino, deposto em 26 de julho, terminou sem que a exigência fosse cumprida, pelo que a população prepara-se agora para o pior.

A Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) ameaçou recorrer à força se a junta militar que depôs o regime do Presidente democraticamente eleito do Níger, Mohamed Bazoum, não o reconduzisse até ao meio-dia de hoje, havendo, afora apelos internacionais para procurar meios pacíficos para tentar repor a legalidade institucional.

No sábado, o Senado da vizinha Nigéria insurgiu-se contra o plano da CEDEAO, instando o Presidente da Nigéria, Bola Ahmed Adekunle Tinubu, que também lidera o bloco até ao final do ano, a explorar outras opções que não o uso da força. 

A CEDEAO ainda pode avançar, uma vez que as decisões finais são tomadas por consenso pelos Estados-membros, mas o aviso na véspera do término do prazo levantou questões sobre o destino da intervenção.

A ameaça de intervenção militar surgiu na sequência do golpe de Estado de 26 de julho, quando soldados amotinados instalaram o seu líder, general Abdourahamane Tiani, como novo chefe de Estado do Níger. 

Enquanto Tiani pedia apoio nacional e internacional, crescia o receio de que a crise política do país pudesse prejudicar a luta contra os ‘jihadistas’ e aumentar a influência da Rússia na África Ocidental.

O golpe de Estado, aliás, observa a agência noticiosa Associated Press (AP), vem acrescentar mais uma nova camada de complexidade à região da África Ocidental, que se debate com a tomada de poder pelos militares, como Mali, Guiné-Conacri e Burkina Faso, o extremismo islâmico e uma mudança de atitude de alguns Estados em relação à Rússia e ao seu representante, o grupo mercenário Wagner.

A Argélia e o Chade, países vizinhos não pertencentes à CEDEAO e com fortes forças armadas na região, afirmaram que se opõem ao uso da força ou que não irão intervir militarmente, e os vizinhos Mali e Burkina Faso – ambos governados por juntas militares – afirmaram que uma intervenção seria também uma “declaração de guerra” contra eles.

O Presidente destituído do Níger, Mohamed Bazoum, disse que está a ser mantido “refém” pelos soldados amotinados e uma delegação da CEDEAO não conseguiu reunir-se com Tiani, que, segundo os analistas, liderou o golpe para evitar ser demitido. Agora, a junta pediu ajuda ao grupo Wagner e cortou os laços de segurança com a antiga potência colonizadora, França.

Durante a madrugada de hoje, horas antes do fim do prazo de domingo, e em resposta ao apelo da junta para que se tenha cuidado com a intervenção estrangeira e espiões, centenas de jovens juntaram-se às forças de segurança nas ruas escuras da capital do Níger, Niamey, para montarem guarda numa dúzia de rotundas até de manhã, verificando as viaturas à procura de qualquer tipo de armamento.

“Estou aqui para apoiar os militares. Somos contra (o bloco regional). Vamos lutar até ao fim. Não concordamos com o que a França está a fazer contra nós. Estamos fartos da colonização”, disse Ibrahim Nudirio, um dos residentes em patrulha.

Passado o prazo, desconhece-se o que irá agora a CEDEAO fazer.

“O bloco regional não deveria ter dado à junta um prazo de uma semana para reintegrar Bazoum, mas sim de 48 horas. Agora está a arrastar-se, o que dá tempo à junta para se entrincheirar”, disse Peter Pham, antigo enviado especial dos Estados Unidos para a região do Sahel, na África Ocidental, e membro destacado do Conselho Atlântico. 

Para Pham, o cenário mais favorável para uma intervenção seria a entrada de uma força com a ajuda dos que estão no interior.

A intentona é um rude golpe para os Estados Unidos e aliados que viam o Níger como o último grande parceiro antiterrorista no Sahel, uma vasta área a sul do deserto do Saara onde os ‘jihadistas’ ligados à Al-Qaida e ao grupo Estado Islâmico (EI) têm vindo a expandir o seu raio de ação e a ameaçar Estados costeiros como o Benim, o Gana e o Togo.

Os Estados Unidos, a França e os países europeus injetaram centenas de milhões de dólares de assistência militar no Níger. A França tem 1.500 soldados no país, embora o seu destino esteja agora em causa. Os EUA também têm 1.100 militares no Níger, onde operam uma importante base de ‘drones’ (aparelhos voadores não tripulados) na cidade de Agadez.

Embora os líderes golpistas do Níger tenham afirmado que agiram devido à crescente insegurança, os incidentes de conflito diminuíram quase 40% no país em comparação com o semestre anterior, de acordo com o projeto Armed Conflict Location and Event Data. 

Tal contrasta com o aumento dos ataques no Mali, que expulsou as forças francesas e se associou aos mercenários do grupo Wagner, e no Burkina Faso, que também se livrou das forças francesas.

A incerteza no Níger está a piorar a vida quotidiana de cerca de 25 milhões de pessoas num dos países mais pobres do mundo. Os preços dos alimentos estão a aumentar depois de a CEDEAO ter imposto sanções económicas e de viagem na sequência do golpe de Estado. A Nigéria, que fornece cerca de 90% da eletricidade no Níger, cortou parte do abastecimento.

Grupos humanitários no Níger alertaram para os “efeitos devastadores” na vida de mais de 4,4 milhões de pessoas que necessitam de ajuda. Alguns dos residentes do Níger, já em dificuldades, afirmaram que a intervenção militar não é a resposta.

“Só o facto de comer é um problema para nós. Por isso, se houver uma guerra, isso não vai resolver nada”, frisou Mohamed Noali, um residente de Niamey que anda a patrulhar as ruas.

 

JSD // MSF

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS