Polícia tailandesa usa balas de borracha e gás lacrimogéneo contra manifestantes

A polícia tailandesa utilizou hoje balas de borracha e gás lacrimogéneo contra manifestantes em Banguecoque que pediam reformas democráticas e criticavam a forma como o Governo está a lidar com a pandemia de covid-19.

Polícia tailandesa usa balas de borracha e gás lacrimogéneo contra manifestantes

Polícia tailandesa usa balas de borracha e gás lacrimogéneo contra manifestantes

A polícia tailandesa utilizou hoje balas de borracha e gás lacrimogéneo contra manifestantes em Banguecoque que pediam reformas democráticas e criticavam a forma como o Governo está a lidar com a pandemia de covid-19.

Os manifestantes desafiaram a proibição oficial de ajuntamentos, já que a Tailândia enfrenta o pior surto do vírus desde o início da pandemia, com cerca de 20.000 novos casos por dia.

O ritmo lento da vacinação e o impacto económico das restrições e encerramentos de empresas estão a colocar o Governo do primeiro-ministro, Prayut Chan-O Cha, sob grande pressão.

Centenas de pessoas marcharam pelas ruas da capital em motorizadas e carros, tendo os confrontos começado no início da noite.

Uma cabine de controlo de tráfego da polícia foi incendiada, entre outros danos.

Alguns manifestantes lançaram petardos e fogo-de-artifício contra a polícia, que respondeu com balas de borracha, canhões de água e gás lacrimogéneo.

“O Governo autoritário de Prayut Chan-O Cha continua a procurar, conceder e distribuir benefícios à classe dominante, deixando os doentes e os mortos entregues à sua própria sorte”, disse a ativista e estudante Benja Apan durante a demonstração.

Um tribunal tailandês ordenou hoje que a polícia “tome precauções” ao tentar controlar uma multidão, mas rejeitou um pedido de proibição do uso de balas de borracha feito por advogados defensores dos direitos humanos.

Um movimento pró-democracia liderado por jovens empurrou dezenas de milhares de pessoas para as ruas no ano passado para exigir a demissão de Prayut, um antigo chefe do exército que chegou ao poder após um golpe em 2014.

Este movimento quebrou velhos tabus ao pedir também a reforma da monarquia tailandesa.

Muitos manifestantes foram acusados de crimes de lesa-majestade, o que pode valer até 15 anos de prisão.

AXYG // PMC

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS