Líder da extrema-direita francesa apoia primeiro-ministro polaco na crise com UE

A líder da extrema-direita francesa, Marine Le Pen, reuniu-se hoje em Bruxelas com o primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki, e expressou-lhe apoio na crise que opõe o seu país à União Europeia, denunciando a “chantagem inaceitável” da Comissão Europeia.

Líder da extrema-direita francesa apoia primeiro-ministro polaco na crise com UE

Líder da extrema-direita francesa apoia primeiro-ministro polaco na crise com UE

A líder da extrema-direita francesa, Marine Le Pen, reuniu-se hoje em Bruxelas com o primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki, e expressou-lhe apoio na crise que opõe o seu país à União Europeia, denunciando a “chantagem inaceitável” da Comissão Europeia.

“Honrada por ter sido recebida hoje pelo chefe do governo polaco, Mateusz Morawiecki”, escreveu na rede social Twitter a candidata da União Nacional às presidenciais francesas de 2022, ao lado de uma fotografia dos dois políticos a cumprimentarem-se.

“Evocámos em conjunto a chantagem inaceitável exercida pela Comissão Europeia sobre a Polónia e fui dar-lhe o meu apoio”, adiantou Le Pen, que tem prevista uma conferência de imprensa hoje à tarde em Bruxelas.

Na segunda-feira, a líder partidária deve deslocar-se a Budapeste para um encontro com o primeiro-ministro húngaro, o ultraconservador Viktor Orban.

Em meados de outubro, Marine Le Pen evocou “discussões” tendo em vista a criação de uma aliança dos “movimentos nacionais” no Parlamento Europeu “para transformar a União Europeia (…) numa aliança europeia de nações muito mais respeitadoras da soberania dos Estados”.

Antes da abertura da cimeira dos 27 na quinta-feira em Bruxelas, Morawiecki, em conflito com Bruxelas sobre a independência da justiça e do primado do direito europeu, declarou-se “aberto ao diálogo” ao mesmo tempo que denunciou “a pressão da chantagem”.

Os dirigentes europeus optaram pelo apaziguamento nesta cimeira, reservando-se a possibilidade de agir mais tarde.

As tensões aumentaram desde a decisão de 7 de outubro do Tribunal Constitucional polaco, que declarou alguns artigos dos tratados europeus incompatíveis com a Lei Fundamental nacional.

A decisão foi denunciada por Bruxelas como um atentado sem precedentes à primazia do direito europeu e da jurisdição do Tribunal de Justiça da UE, mas também como a ilustração da falta de independência da justiça polaca em relação ao governo.

PAL // ANP

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS