Afeganistão: ONU anuncia que apelo para ajuda urgente foi “financiado a 100% “

A ONU anunciou hoje que foi “financiado a 100%” o apelo que lançou para recolher 606 milhões de dólares (538,8 milhões de euros) até ao final do ano para atenuar os efeitos da crise humanitária no Afeganistão.

Afeganistão: ONU anuncia que apelo para ajuda urgente foi

Afeganistão: ONU anuncia que apelo para ajuda urgente foi “financiado a 100% “

A ONU anunciou hoje que foi “financiado a 100%” o apelo que lançou para recolher 606 milhões de dólares (538,8 milhões de euros) até ao final do ano para atenuar os efeitos da crise humanitária no Afeganistão.

“Podemos anunciar que o apelo de urgência está financiado a 100%”, disse hoje em Genebra Jens Laerke, porta-voz do Gabinete para a Coordenação dos Assuntos Humanitários da ONU (OCHA, na sigla em inglês). 

Os principais doadores são os Estados Unidos, os países europeus e o Japão, explicou o porta-voz, referindo-se ao apelo que foi lançado numa reunião ministerial das Nações Unidas, em Genebra, há dois meses. 

“A resposta em relação ao Afeganistão está a intensificar-se. Entre os dias 01 de setembro e 15 de novembro, as Nações Unidas e as organizações não-governamentais forneceram ajuda alimentar a 7,2 milhões de pessoas e prestou cuidados médicos a cerca de 900 mil pessoas”, disse ainda Laerke.  

Segundo a ONU, quase 200 mil pessoas afetadas pela seca receberam ajuda, através da distribuição de água, com recurso ao envio de camiões-cisterna, e 178 mil crianças, com menos de cinco anos de idade, receberam ajuda humanitária.

O porta-voz indicou, por outro lado, que “os compromissos financeiros não foram todos traduzidos em ações no terreno” devido a problemas em relação ao sistema bancário e financeiro e às sanções impostas contra os talibãs, no poder em Cabul desde o passado dia 15 de agosto.

“A maior parte da população ainda precisa de ajuda humanitária de urgência”, disse.

“Os acessos melhoraram recentemente. Temos acesso a todas as regiões do Afeganistão. O grande problema agora é evitar o colapso económico do país”, acrescentou.

De acordo com a ONU, o Afeganistão está perante “uma grave crise humanitária”, com mais de metade a população em risco de não conseguir alimentos durante o inverno.

A escassez de alimentos é causada por uma seca associada à crise económica, que se agravou desde que foi proclamado o Emirado Islâmico, pelas forças talibãs. 

As instituições financeiras internacionais suspenderam as ajudas ao país e Washington congelou os cerca de 9,5 mil milhões de dólares (8,4 mil milhões de euros) de bens do Banco Central do Afeganistão.

 

PSP // PAL

Lusa/fim

 

 

 

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS