Afeganistão: “Desintegração” do país deve ser evitada, mas sem ingerência externa – Putin

O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, defendeu hoje que a “desintegração” do Estado afegão deve ser evitada após a chegada ao poder dos talibãs, mas alertou contra uma potencial ingerência externa.

Afeganistão:

Afeganistão: “Desintegração” do país deve ser evitada, mas sem ingerência externa – Putin

O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, defendeu hoje que a “desintegração” do Estado afegão deve ser evitada após a chegada ao poder dos talibãs, mas alertou contra uma potencial ingerência externa.

“O movimento talibã controla hoje praticamente todo o território do país, incluindo a capital [Cabul]. Essa é a realidade. É precisamente esta realidade que devemos tomar como ponto de partida, sem permitir, sem qualquer dúvida, a desintegração do Estado afegão”, declarou o líder russo, numa conferência de imprensa conjunta com a chanceler alemã, Angela Merkel, que hoje se deslocou a Moscovo.

Ainda sobre o Afeganistão, Putin apontou críticas ao Ocidente por querer impor valores democráticos a outros países e por ignorar as tradições dos povos, uma política que classificou como “irresponsável”, uma vez que pretendeu impor “valores estrangeiros” aos afegãos.

“Já vimos o que aconteceu no período conhecido como a ‘Primavera Árabe’, agora no Afeganistão. Todos os nossos parceiros devem assumir esta regra universal: tratem os vossos parceiros com respeito e sejam pacientes, gostem ou não de alguma coisa. Dar às pessoas o direito de decidir por elas próprias o seu destino, independentemente do tempo que demorem a percorrer o caminho da democratização”, frisou o líder russo.

Putin recordou que Moscovo, numa alusão à invasão soviética do Afeganistão (1979-1989), sabe bem como pode ser contraproducente tentar impor um sistema político estrangeiro, experiências que “nunca” tiveram sucesso e só levam à desintegração de Estados.

Nesse sentido, o chefe de Estado russo apelou aos Estados Unidos da América (EUA) e à União Europeia (UE) para que “unam esforços” com a Rússia para normalizar a situação no Afeganistão, incluindo ao nível da ajuda humanitária.

Ao lado de Putin, a chanceler alemã reconheceu que será necessário dialogar com o movimento talibã para salvar vidas no Afeganistão.

“Agora teremos de dialogar com os talibãs (…) e tentar salvar aqueles cujas vidas estão ameaçadas para que possam deixar o país”, declarou a chanceler alemã.

“Os talibãs receberam mais apoio do que gostaríamos”, admitiu Merkel, insistindo que a prioridade de Berlim é ajudar aqueles que cooperaram com a Alemanha durante os 20 anos da operação militar da NATO no Afeganistão.

Após uma ofensiva relâmpago, os talibãs tomaram Cabul no domingo passado, o que assinalou o seu regresso ao poder no Afeganistão, 20 anos depois de terem sido expulsos pelas forças militares estrangeiras (EUA e NATO).

Foi o culminar de uma ofensiva que ganhou intensidade a partir de maio, quando começou a retirada das forças militares norte-americanas e dos seus aliados da NATO, incluindo Portugal.

As forças internacionais estavam no país desde 2001, no âmbito da ofensiva liderada pelos Estados Unidos contra o regime extremista, que acolhia no seu território o líder da Al-Qaida, Osama bin Laden, principal responsável pelos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001.

Depois de terem governado o país de 1996 a 2001, impondo uma interpretação radical da ‘Sharia’ (lei islâmica), teme-se agora que os radicais voltem a impor um regime de terror, nomeadamente ao nível dos diretos fundamentais das mulheres e das raparigas.

SCA // EL

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS