Alzheimer custa por ano o equivalente a 1% da riqueza criada no País

A doença de Alzheimer tem custos anuais equivalentes a 01% do PIB, sendo responsável por cerca de 07% dos anos de vida perdidos por morte prematura, para pessoas com 65 ou mais anos.

Alzheimer custa por ano o equivalente a 1% da riqueza criada no País

Alzheimer custa por ano o equivalente a 1% da riqueza criada no País

A doença de Alzheimer tem custos anuais equivalentes a 01% do PIB, sendo responsável por cerca de 07% dos anos de vida perdidos por morte prematura, para pessoas com 65 ou mais anos.

O estudo, Custo e Carga da Doença de Alzheimer em Portugal, conduzido pelo Centro de Estudos de Medicina Baseada na Evidência (CEMBE), da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, indica que o impacto nos anos de vida perdidos é superior nas mulheres, 7,6%, enquanto nos homens é de 6,4%. As conclusões, com o apoio da empresa de biotecnologia Biogen, na área das neurociências, indicam também que o nível dos anos perdidos por incapacidade provocada pela doença está estimado em 45.754, mais de dois terços dos gerados pela aterosclerose.

LEIA DEPOIS
Nova terapia em bebés pode reduzir probabilidade de autismo

De acordo com esta investigação, que avalia a presença da patologia numa amostra da população residente em Portugal Continental com idade igual ou superior a 65 anos, o País gasta todos os anos uma média de 2 mil milhões de euros (em custos diretos médicos e não médicos) no combate à doença. Só os gastos com cuidadores informais atingem cerca de 1,1 mil milhões de euros. Os resultados do estudo colocam em perspetiva duas prioridades para Portugal, a primeira “a necessidade de se refletir sobre o papel do cuidador informal e a importância de ter estratégias e políticas públicas que garantam a proteção social e financeira deste grupo”, mas também a importância de “manter o foco na investigação científica e no desenvolvimento de tratamentos capazes de prolongar a qualidade de vida dos doentes”, diz a especialista Isabel Santana, citada no comunicado de divulgação do estudo.

Alzheimer responsável por cerca de 194 mil pessoas com demência em Portugal

Isabel Santana é professora catedrática da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, onde é diretora do Serviço de Neurologia do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra e membro do Grupo de Estudos do Envelhecimento Cerebral e Demência. A Alzheimer Portugal, uma instituição particular de solidariedade social, também citada no comunicado, concorda com a professora e lembra que uma das principais “bandeiras” da associação é “o reconhecimento das demências como uma prioridade nacional de saúde pública e a implementação dos Planos Regionais de Saúde para as demências”, nas palavras de Manuela Morais, presidente da Alzheimer Portugal. O estudo é hoje apresentado numa iniciativa ‘online’ organizada pela Alzheimer Portugal e que contempla um debate com especialistas.

LEIA TAMBÉM
Pandemia poderá explicar quebra de 25% de violações de mulheres em 2020

A Alzheimer é uma doença neurológica progressiva e segundo o estudo do CEMBE deverá haver em Portugal cerca de 194 mil pessoas com demência, dos quais 60 a 80% são casos de doença de Alzheimer (perto de 145 mil). “À medida que a idade avança, maior é a probabilidade de uma pessoa desenvolver esta patologia, tal como demonstram os dados recolhidos para este estudo, que indicam que a prevalência da doença de Alzheimer se encontra nos 1,76% nos homens entre os 65 e os 69 anos, chegando aos 12,75% naqueles com mais de 80 anos. No caso das mulheres, o grupo entre os 65 e os 69 anos regista uma prevalência de 0,35% da doença de Alzheimer, enquanto a população feminina com mais de 80 anos detém uma prevalência desta patologia de 13,61%”, diz-se no comunicado.

Impala Instagram


RELACIONADOS