Cientistas descobrem os ingredientes da Felicidade

Questiona-se desde há muito sobre o segredo da Felicidade e agora a Ciência aponta diversos detalhes que contribuem significativamente para isso.

Cientistas descobrem os ingredientes da Felicidade

Cientistas descobrem os ingredientes da Felicidade

Questiona-se desde há muito sobre o segredo da Felicidade e agora a Ciência aponta diversos detalhes que contribuem significativamente para isso.

Felicidade não tem fórmula mágica. Mas já conhecemos os seus ingredientes. Muitos procuram o segredo da felicidade, e de facto ele pode ser mais simples do que se imagina. Na verdade, não existe um só ingrediente – e muito menos secreto – ou um hábito que podemos adquirir para que todos os nossos problemas sejam resolvidos. Mas, de facto, a Ciência já aponta diversos detalhes que contribuem significativamente para isso.

Analisando o ranking dos 10 países mais felizes do mundo, divulgado pela Rede de Soluções para o Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, em 2022, podemos perceber que, no topo da lista, figuram os países nórdicos. Tendo em vista diversas pesquisas que apontam o sol como fator essencial para os processos cerebrais que moldam a felicidade, ter predominantemente países com clima frio entre os mais felizes do mundo pode parecer incoerente. Isto serve para sublinhar que apenas o clima não é o fator exclusivo para definir o humor.

Afinal, qual é a habilidade mais importante para alcançar a Felicidade?

Expectativa de vida saudável, alimentação, relação com a natureza, conhecimento, renda e, destacadamente, a segurança são igualmente fatores muito importantes para a perceção de felicidade. Para sermos felizes, é importante, primeiro, suprir as necessidades básicas. Mas, além disso, a inteligência é um outro aspeto fundamental para a felicidade. Proporciona a capacidade de vermos o mundo de forma mais analítica e a lidarmos melhor com os sentimentos. E isto ajuda a prolongar e a estimular as sensações de felicidade, reduzindo a influência do cenário nesse processo.

Para reforçar esta ideia, podemos analisar que grande parte dos países que estão no ranking dos mais felizes do mundo também figuram no dos mais inteligentes. Em especial no caso dos países nórdicos – marcados, no passado, por guerras e atos de barbárie –, que possuem atualmente habitantes mais introspetivos e analíticos, demonstrado evolução.

Isto pode também ser trazido para nosso dia a dia. Evoluir, olhar para trás e aprender com o passado a evitar situações que nos tragam tristeza é a habilidade mais importante para alcançar a felicidade.

Fabiano Lima

Fabiano de Abreu Rodrigues, filósofo e cientista

Do mesmo autor
Voto a partir dos 16 anos proposto por PSD e Livre é cientificamente um erro
PSD e Livre propõem a alteração da idade do voto. Estes partidos defendem o voto aos 16 anos, em vez de aos 18, como até aqui. De acordo com a neurociência, contudo, trata-se de um erro (… continue a ler aqui)

Impala Instagram


RELACIONADOS