João Pedro Sousa reconhece haver “muito para melhorar” na solidez do Boavista

O treinador João Pedro Sousa admitiu hoje que o Boavista tem “muita coisa para melhorar” nas exibições, apesar de encarar com duas vitórias consecutivas a visita ao Vizela, no sábado, da quarta jornada da I Liga de futebol.

João Pedro Sousa reconhece haver

João Pedro Sousa reconhece haver “muito para melhorar” na solidez do Boavista

O treinador João Pedro Sousa admitiu hoje que o Boavista tem “muita coisa para melhorar” nas exibições, apesar de encarar com duas vitórias consecutivas a visita ao Vizela, no sábado, da quarta jornada da I Liga de futebol.

“Não digo que seja receio, mas é bom alertar os jogadores e não só. Por vezes, o resultado pode disfarçar muitas coisas. Temos tido sido muito honestos connosco, percebendo que há muito para melhorar e não podemos tapar essas situações com dois, três ou quatro resultados positivos”, apontou o técnico, em conferência de imprensa.

Depois da derrota inaugural no estádio do Gil Vicente (0-3), os ‘axadrezados’ somaram triunfos confortáveis nas receções a Paços de Ferreira (3-0) e Santa Clara (2-0), ambos inseridos nas pré-eliminatórias de acesso à fase principal da Liga Conferência Europa.

“Estes seis pontos não nos podem condicionar em rigorosamente nada. É muito redutor falar que estamos bem ou num bom momento. Estamos é no momento de trabalhar para um desafio muito importante, no qual temos de conquistar mais três pontos. É esta a forma como pensamos, sabendo que temos armas para uma tarefa complicada”, notou.

João Pedro Sousa antecipa um Vizela competitivo a jogar como visitado em Paços de Ferreira, acreditado que os desaires dos minhotos na casa do campeão nacional Sporting (0-3) e em Guimarães (0-4) “não querem dizer exatamente o que se passou nos jogos”.

“É uma equipa que vem de uma dinâmica muito grande de vitórias de há dois anos para cá. De alguma forma, transporta um discurso muito ambicioso para uma forma de jogar muito positiva e dinâmica. Vai ser difícil para nós. Sabemos onde é que o Vizela nos pode magoar e aquilo que temos de fazer. Há que estar preparados para sofrer durante o jogo e, depois, também trabalhar para tentar criar problemas ao oponente e vencer”, projetou.

Quanto ao mercado de transferências, o Boavista oficializou na quarta-feira o empréstimo até ao final da temporada do avançado croata Petar Musa, proveniente dos checos do Slavia Praga, suprindo a venda do hondurenho Alberth Elis aos franceses do Bordéus.

“Chegou muito bem, está totalmente apto e inscrito, mas dependemos do envio do certificado internacional do anterior clube. É um ponta de lança fisicamente forte e com características diferentes do Yusupha, mas acredito que se podem complementar muito bem. Não é tão móvel e rápido como o Yusupha, mas tem um grande raio de ação e, se calhar, surge mais vezes em zonas de finalização. Contudo, os dois têm golo”, analisou.

Sem esclarecer a disponibilidade do norte-americano Reggie Cannon, do equatoriano Jackson Porozo e de Miguel Reisinho, ausentes da partida com o Santa Clara por lesão, João Pedro Sousa enalteceu o papel das principais figuras na adaptação dos reforços.

“A integração dos jogadores que vão chegando, sejam de primeira ou de segunda linha, tem muito a ver com quem cá está. É sempre importante a forma como os recebem e passam a mensagem sobre a forma de trabalhar e o que é estar no Boavista”, concluiu.

O Boavista, oitavo colocado, com seis pontos, visita o Vizela, 11.º, com três, no sábado, às 15:30, no Estádio Capital do Móvel, em Paços de Ferreira, em encontro da quarta jornada da I Liga, com arbitragem de Rui Costa, da associação do Porto.

RYTF // NFO

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS